Pesquisar:

 

Uma pequena história ...

 
História Itupeva
 

Resumo:

No século XIX a região constituia-se de diversas fazendas, a maioria com plantações de café. Em 1873, em terras da fazenda São João da Via Sacra é inaugurada a estação ferroviária de Itupeva, (hoje o prédio é sede da Prefeitura Municipal) com o tempo, o bairro foi se formando em volta da fazenda.

Em 1953 Itupeva torna-se Distrito de Paz do Município de Jundiaí, com o crescimento, iniciaram-se também os movimentos de emancipação politico-administrativo, tornando-se em 1963 município.

O município de Itupeva (201.000 m.²), nasceu oficialmente aos 21 de março de 1965 com aproximadamente 3.800 habitantes, hoje a população está em média de 32.000 habitantes, sem contar com a população oscilante, que é considerável devido aos diversos condomínios residencias e industrias instalados na região nos últimos anos.

Itupeva significa "Cascata Pequena".

Parte I:

Já sabemos que desde o início do século XIX já existia a fazenda São João da Via Sacra, cuja sede era o casarão que foi demolido.
Esse assunto foi abordado no menu "O Casarão", porém, o que deu início à vila de Itupeva foi um desentendimento.
Em Sorocaba, por volta de 1865, um industrial de origem húngara, Luiz Matheus Maylask, motivado pela febre ferroviária que atingia o Brasil na época, conseguiu arrecadar fundos entre grandes empresários e fazendeiros para a construção de uma ferrovia que ligasse São Paulo a Ipanema, nas proximidades de Sorocaba, onde funcionava a única siderúrgica do Brasil e que pertencia ao Império. Hoje, no local, está instalado o projeto Aramar, da Marinha do Brasil.
Aqui por perto, em Itú mais precisamente, outra reunião se realizava. Esta contava com os Barões do café, homens fortes na política, grandes fazendeiros como o Barão de Jundiaí, Barão de Piracicaba, família Pacheco Jordão, que também tinham a intenção de construir uma ferrovia ligando Itú a Jundiaí, onde o Barão de Mauá, com capital inglês, construía a estrada de ferro até Santos, de onde era exportado o café da região. Queriam nossos Barões que a ferrovia planejada por Maylask, saindo de Ipanema, passasse por Sorocaba e Itú, assim atingindo Jundiaí, com o que não concordou o sorocabano.
Não havendo entendimento, cada grupo ficou com sua ferrovia. Em 20 de janeiro de 1870, os ituanos, em reunião presidida pelo Dr. Antônio Cândido da Rocha - presidente da província de São Paulo -, fundaram a Cia. Ytuana.
Percebe-se aí a grande influência do Dr. Antônio Queiroz Telles, Barão de Jundiaí, proprietário de grandes fazendas de café, entre elas a São João da Via Sacra, um dos financiadores da empresa. O Barão exigiu que as linhas passassem em suas terras, podendo assim embarcar seu café para o porto.
Além do casarão, sede da fazenda, algumas outras construções, como a senzala dos escravos, a casa do feitor, as tulhas e os terreiros para armazenagem e secagem do café, o moinho, eram tudo o que havia por aqui.
Os trilhos avançavam, acompanhando o leito do rio Jundiaí e, exatamente nesse ponto, onde a linha se separava do rio foi construída a estação. Primeiro para atender às necessidades técnicas, como a captação de água para as locomotivas, segundo, para propiciar o embarque do café produzido nas fazendas da região.
Construída a estação, a bomba d´ água, uma ou outra casa para os trabalhadores da ferrovia, logo surgiu um pequeno comércio para atender o grande movimento de tropas de burros e carroças que transportavam o café para o embarque nos vagões .
O progresso não mais parou. Uma oficina de ferreiro, uma olaria e, é claro, o botequim contribuíram para que o vilarejo não mais parasse de crescer. Como se vê, Itupeva, aliás esse nome vem do tupi-guarani, que significa cascata pequena (Itu-cascata; péva-pequena), como os índios, antigos habitantes desta região, a denominavam, nasceu em função da ferrovia que mais tarde viria a ser chamada de Sorocabana

Foto: Umberto C. Gallo -  1976 - Fazenda São João da Via Sacra - Hoje Av. Itália - Centro de Itupeva. 

 

 
Fonte: Rogério E. Pansonato
 
 
 
Imóveis em Itupeva e Jundiaí